segunda-feira, 15 de abril de 2013

UN


Quando eu era adolescente, eu fazia agenda. Não sei se isso é da época de todas vocês, nem se rolou em todo lugar do mundo, mas "a agenda" era um item básico da adolescência 90´s.

Qualquer agenda servia, até mesmo aquelas feionas, de escritório, que seu pai tinha sobrando e te dava: o que importava era o recheio da agenda: canudo mastigado do menino que você gostava, flyer da matinée a que você ia, fotos, bilhetinhos das amigas e muitas, muitas e muitas páginas contando tudo da sua vida. Dramas de adolescente, brigas com amigas, aquele gatinho que chamava a sua atenção, começo, meio e fim das inúmeras histórias de amor, sentimentos (todos intensos e exagerados, claro), problemas em casa e na escola, tudo.

Não era incomum ler e reler a agenda nos dias mais tediosos da vida, relembrando aquela balada, aquele fase, aquele mocinho, aquela música que tava tocando na hora. E eu era tão detalhista que descrevia tudo, até mesmo a roupa que estava usando, para lembrar de todos os detalhes de cada momento.

Só descrevia a roupa. Não descrevia acessórios, não descrevia a maquiagem, a bolsa, nada além da roupa. Porém, se você ler minhas agendas, às vezes vai encontrar uma sigla ao lado da roupa: UN. Sim, UN, abreviação criada por mim para Unhas Negras. Hahahaha, sim, eu era cafona e poética para me expressar, quem não? E, como adorava roupas, sapatos, maquiagem e tudo na cor preta- afinal, fazia um contraste lindo com minha cor de fantasma- com esmaltes não poderia ser diferente: o preto era meu preferido. Tão preferido e importante na construção do visual, que até tinha sigla própria e lugar reservado na minha agenda.

Black, Colorama

Me lembrei disso tudo esses dias, quando postei essa foto (atual) que ilustra o post em meu Facebook, e alguns amigos queridos da época comentaram "Pra variar" ou "Desde sempre". E aí percebi que essa cor de esmalte- muito incomum e até meio escandalosa, na época -devia ser uma marca registrada minha, associada a mim até hoje.

Hoje não faço mais agenda: se nem o blog eu atualizo como gostaria, imagine ter tempo para ficar descrevendo todos os detalhes do dia! Além disso, hoje eu teria menos assunto para encher uma agenda, já que não saio tanto e, há muitos anos, tenho o mesmo mocinho- que até conheci em uma balada, mas que encontro em casa, todo dia. Sem novela, sem drama e sem suspense, tudo maravilhoso e estável.

A única coisa que realmente continua comigo, mesmo após tantos anos e tantas mudanças na moda e na vida é ela: a UN.

7 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Graças ao blog, descobri que desenvolvi alergia a esmaltes. Obrigada por compartilhar a informação, afinal o mundo não acaba por isso! A delícia é comprar um monte de esmaltes novos hipoalergênicos e ser feliz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Patricia, tudo bem?
      Poxa, que coisa boa saber que o blog consegue ajudar pessoas como você! Quando criei o "Meninas Alérgicas" foi bem para isso: para que as meninas alérgicas não demorassem tanto a descobrir o que têm, pois eu pastei até descobrir- e também para mostrar que o mundo das alérgicas pode e deve ser bem colorido. :)
      Bjs

      Excluir
  3. Oi Melissa,
    Eu cheguei por acaso ao seu blog, quando fazia busca de informações dos esmaltes Sally Hansen, se eram hipoalergênicos ou não. Sim, sou alérgica e estou sempre à procura de blogs de meninas que também o são pra trocarmos informações e conhecimentos.
    Uma pena que você não tenha mais atualizado tanto seu cantinho, mas espero que esse retorno seja pra valer. A rede precisa de mais blogs assim, concorda?
    Me tornei sua seguidora e vou ver sua página na no FB.

    Beijos
    patriciaaprendendo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai Patricia, também fico triste por não conseguir atualizar o blog, mas volta e meia eu posto algo, fique ligada, sim.
      Bjs e obrigada pelo carinho. :*

      Excluir
  4. Ah, me esqueci de falar sobre o post.
    Na adolescência, eu adorava esmaltes pretos, verdes, azuis, que nem eram fabricados (sou velhinha) e eu inventava minhas cores. A fase passou e antes de desenvolver a alergia, eu só gostava de esmaltes discretos e tradicionais, chatos, rosas, nudes, clarinhos. Nem vermelho eu usava.
    Aí, depois de 5 anos sem usar nada de esmaltes, redescobri esse mundo (há pouco mais de 2 anos), os fabricantes começaram a lançar mais produtos 3 Free e agora amo cores diferentes.
    Uma das minhas preferidas é a preta. Amo esmalte preto.
    Seu post sobre as agendas me lembrou também aquela minha fase adolescente. Apesar de ter sido em épocas diferentes (minha adolescência foi nos anos 80), parece que essas coisas se repetem.

    Beijos
    patriciaaprendendo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menina, somos da mesma época! Também fazia esmaltes com caneta BIC, violeta genciana, mercúrio cromo (ficava verde!!??):)
      Ah, as agendas...Hahhahah!
      Beijos

      Excluir